Hoje vi a Lua

Fui à rua beber um meu habitual café pós-jantar e quando olhei para cima lá estava ela, a Lua, iluminada, inspiradora. Já não admirava a Lua há imenso tempo, já quase que me tinha esquecido como era bom olhar para ela, imaginar que ela, tal como eu, é apenas um ponto minúsculo no meio do universo; mas que não deixa de ser algo de muito importante só por ser tão pequena.
Voltei para casa, sentei-me em frente ao computador e resolvi ouvir um cd que também já não ouvia há muito tempo; parece coincidência, mas não é, estou a ouvir “The Moon and the Melodies” dos Cocteau Twins.

Vou tentanto fluir palavras do meu cérebro através dos meus dedos, talvez sejam coisas sem nexo, ou então, de tão desconexas que sejam, façam algum sentido. Sinto-me só, mas no meio da minha solidão encontro companhia, paz e sossego. Quero algo mais do que aquilo que tenho, mas não será isso uma característica intrínseca à natureza humana? Querer sempre mais. Sou feliz como sou, mas não me sinto inteiramente feliz, falta aqui qualquer coisa, no entanto não estou à procura, estou sentado calmamente a escrever. Sinto-me numa espécie de transe, ou talvez uma fase de transcendência … Eu já não sei o que digo, é só disparates … ou será que não?!

Boa noite, até amanhã.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *