Chuva, sexo e a cidade.

Desde que aqui cheguei ainda não parou de chover; a água cai em quantidades torrenciais. Ouço gotas enormes baterem no telhado e nas janelas, pequenos rios escorrem pelos vidros e goteiras.
Na televisão está a dar uma série que acompanho sempre que posso há já alguns anos, “O Sexo e a Cidade”. Para quem não conhece, a série retrata um grupo de quatro amigas, mulheres modernas, indepedentes, totalmente diferentes entre si, mas com uma coisa em comum: os problemas que têm com os homens e com a sociedade machista em que vivemos [Claro que isto é uma descrição muito vaga da série].
Há uns tempos atrás houve uma pessoa que me revelou o comentário de uma outra pessoa em relação a esta série:

“Aquelas mulheres são umas ressabiadas”.

Claro está que me fartei de rir perante tal comentário, porque chamá-las de “ressabiadas” é uma mostra pura de insegurança por parte da pessoa que o teceu. Hoje, vim a descobrir que além de insegurança é também uma prova de ignorância. É que a definição de “ressabiada” não tem nada a ver com o que se pensa por aí. Até hoje nunca me tinha dado ao trabalho de ir procurar saber qual é a verdadeira definição deste adjectivo. Segundo a “sabedoria popular”, quando aplicada a uma mulher, ressabiada é uma pessoa que se pode considerar vaca, que está constantemente a pensar em sexo e em homens, entre outras coisas. Pois, eu procurei num dicionário online essa definição e para meu espanto eis qual foi a minha descoberta:

ressabiado
adj.,
que ressabia;
desconfiado;
melindrado;
magoado.

Então, segundo o comentário que referi acima, as personagens do “Sexo e a Cidade” são mulheres desconfiadas, ou melindradas ou magoadas. Desconfiadas?! Sim, talvez, mas isso acho que todos somos. Melindradas?! Não me parece. Magoadas?! Sim, em alguns episódios uma ou outra personagem é magoada pelo parceiro ou ex-parceiro.
Portanto, a pessoa que teceu o comentário, que estava com a clara intenção de denegrir ou rebaixar as personagens da série e todas as mulheres que se pudessem identificar com as personagens, foi um completo ignorante.

Como eu gosto de traçar perfis das pessoas, e vejo a série com interesse, tento identificar as personagens da série:

Carrie – Inteligente, moderna, “open minded”, escreve crónicas sobre sexo e relações pessoais, narradora da série, acredita no cavaleiro andante de cavalo branco e armadura reluzente no entanto tem sérias dificuldades em encontrá-lo.

Samantha – Moderna, “open minded”, adora a adrenalina da conquista, adora sexo e não tem qualquer pudor. Não quer qualquer tipo de relação duradoira, no entanto sonha com isso no seu subconsciente.

Miranda – Inteligente, não gosta de “casual sex” embora o pratique ocasionalmente, “open minded” embora tenha algumas reservas sobre alguns assuntos.

Charlotte – O sonho da vida dela é casar e ter filhos, tem uma postura a roçar a “sonsinha”, no entanto sabe o que quer, “casual sex” está completamente fora de questão, apesar de conservadora pode-se considerar que também é “open minded”.

Isto foi um perfil muito breve, mas acho que já dá para ter uma ideia. Resumindo, elas são um grupo de mulheres modernas, independentes, que não têm medo de mostrar o que valem e muito menos de mostrar que são independentes. Mostram que não precisam de ninguém para viver, mas que há alturas em que sabe bem ter alguma companhia masculina para as acompanhar.

1 thought on “Chuva, sexo e a cidade.”

  1. Estou em crer, segundo a definição que encontraste no dicionário, que o “ressabiado” que definiu assim essas quatro personagens é a pessoa que assim as considerou. Senão vejamos: desconfiado, melindrado, magoado. Pronto, bate certo. O ressabiado é ele :o)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *