Sol pelas nuvens

Cinco minutos antes de sair para o almoço chovia torrencialmente. Cinco minutos depois, o sol rasgava por entre as nuvens brancas para chegar até mim.
Pelo meio de rajadas de vento frio, chegava um calor intenso; era o sol a tocar-me. Dois elementos da natureza a competir para chegarem até mim.
Caminho calmamente até ao restaurante, ventopela frente e sol por trás. Aqui por perto ouço máquinas a trabalhar na construção de um edifício. Alguns carros passam por mim e a água borbulha nas fontes que decoram o jardim, coberto de relva bem aparada.

De minuto a minuto passo com a mão pelo cabelo para tirar a franja dos olhos.

Almocei e sentei-me na esplanada a escrever, beber o meu café e fumar o meu cigarro; tal como faziam tantos outros escritores de outros tempos.
Pela relva passeiam-se três patos brancos, caminham em direcção às pequenas lagoas do jardim; o vento parece não os incomodar. Várias palmeiras, plantadas de uma forma, aparentemente aleatória, abanam suavemente ao sabor do vento forte, como se estivessem a dançar.

Tiro mais uma vez a franja dos olhos. Já saí há uma hora, tenho que voltar .

Boa tarde.

2 thoughts on “Sol pelas nuvens”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *