Sábado, 25.03.2006

Assim de repente, vinha a caminhar para aqui [sendo aqui um sítio qualquer que se possa imaginar.], deu-me uma vontadinha de escrever, daquelas que já não sentia há algum tempo. Não me apetece escrever sobre nada em particular, apetece-me simplesmente escrever.

Os meus neurónios fervilham, quase sinto os meus dedos a serem picados por milhões de agulhas; sinto uma certa energia que percorre e preenche o meu corpo, começando na minha mente e terminando nos dedos.

Deixo esta energia fluír através da caneta, transmutando-se em palavras, escritas no meu bloco; está a correr de tal maneira que fica tudo rabsicado, ou melhor, rasurado. Estou a escrever uma palavra e já estou a pensar nas três ou quatro seguintes, fazendo com que acabe uma com a primeira letra da seguinte; a escrita está a ser tão rápida que estou a ficar com dores na mão.

Faço agora uma pequena pausa para enviar um SMS. É uma ideia/pensamento, ou melhor, um sentimento que percorre e preenche todo o meu ser, todos os dias. E então, “tunga”, tomá lá que vai disto, um SMS a expressar esse sentimento; Isto, é claro, na falta de poder expressá-lo pessoalmente … por agora.

Acendo um cigarro, puxo e inspiro. Observo o fumo com uma mistura de tons cinzentos e azuis, a ponta incandescente com uma cor avermelhada, a cinza que se forma à volta com tons de cinzento e branco.
– “O que disse? Fumar faz mal à saúde?! Eu sei perfeitamente o mal que faz, no entanto dá-me prazer, sabe-me bem, apetece-me fumar. E contra isto não há argumento possível. Quando eu quiser deixar de fumar, deixo!

Que giro, a minha mão direita, que segura a minha caneta de estimação já não doi tanto, mas está a começar a suar. É um facto que o meu corpo aquece com muita facilidade, mas a mão suada é, na mesma, um acontecimento curioso.

Mais uma pequena pausa, desta vez para descansar o braço; estou com uma camisola de malha com as mangas arregaçadas. Vejo os pêlos todos alinhados da esquerda para a direita, apenas na parte de cima do braço. Na parte de baixo não há quase pelos, vislumbram-se as minhas veias, grossas e salientes, transportando sangue até à extremidade do braço, alimentando e oxigenando as minhas células.

Na verdade são as artérias que fazem isso, as veias levam o sangue que transporta as toxinas para ser renovado.

Mas isto foi apenas um preciosismo.

1 thought on “Sábado, 25.03.2006”

  1. Boa Tarde!
    Já tinha escrito um grande comentário mas cliquei sem querer no link do meu utilizador e perdi tudo.
    Resumindo muito, tinha escrito que também me sinto assim às vezes, com uma vontade louca de escrever e tenho um link no meu OUTRO DARK SIDE para o site das melhores fotos da NBC, vai lá ver que vale mesmo a pena! O resto podes ler no meu post “FOME”.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *