Tropeços

Segunda-feira, está uma manhã cinzenta que, no entanto, promete uma tarde de sol. Saio do banho, seco-me na toalha e ao sair da casa de banho tropeço numa pedra. Olho para o chão e não encontro pedra alguma. Intrigado com a situação procuro por um simples calhau, aquele onde eu tropecei.
Desisto, talvez tenha tropeçado no meu próprio pé. Visto-me, penteio-me, calço-me, pego nas minhas coisas e saio de casa. Ao descer os dois degraus da porta da rua do meu prédio, tropeço noutra pedra. Começo a ficar mais intrigado, olho em volta e continuo a não encontrar pedras no chão.
Desisto novamente da procura e vou andando para tomar o meu pequeno almoço. Até chegar ao destino tropeço em pedras mais umas três ou quatro vezes.
Sento-me a beber uma meia de leite e a comer um folhado misto, vou pensando no assunto. Pergunto-me porque razão é que passei aquele bocado a tropeçar em pedras que não vi em lado nenhum.
Assim de repente fez-se luz. Eu não andei a tropeçar em pedras. Era apenas uma simbologia. Hoje de manhã acordei aos tropeções, ou seja, fui acordando aos poucos e pondo o despertador para dez minutos depois a cada vez que o desligava.

3 thoughts on “Tropeços”

  1. Às vezes também ando assim a acordar aos tropeções, geralmente depois das noitadas, mas tenho de confessar que se antigamente conseguia aguentar 2 noites seguidas sem dormir e de manhã ainda ia fazer 2.000 m a nadar, hoje já não consigo aguentar uma noite inteira, e se fôr para a piscina é para dormir no fundo:-),
    PORRA TOU COTA:-(
    Boa noite!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *