Crónica de final de tarde

  • by

Agora, escrevendo um pouco mais a sério.
Na falta de algo mais para fazer, enquanto aguardava que um determinado “pugrama” acabasse de compilar (Sim, estas coisas por vezes são lentas), resolvi vaguear um pouco pela net; o que para mim é como dar um passeio. Umas vezes à beira-mar, outras na serra, ou até mesmo pelo meio da selva, tudo depende dos sites que visito; lembrei-me da blogosfera. Comecei por alguns blogs que conhecia, uns de nome outros de alguma leitura.
Li coisas que são exactamente as mesmas de há uns meses; não que os blogs não sejam actualizados, simplesmente escreve-se “mais do mesmo”. Outras coisas li, que só me davam vontade de rir.
No meio de uns tantos e muitos blogs que visitei e li, poucos foram os que realmente me interessaram ou cativaram de alguma forma (Não vou fazer publicidade a nenhum deles, não é esse o objectivo deste post).

Há uns seis anos atrás, comecei a escrever neste preciso blog; sim, o blog é exactamente o mesmo. Já mudou de nome algumas vezes, já mudou de endereço, até o conteúdo mudou, a única coisa que não mudou neste blog é o que ele é em si: um espaço onde publico aquilo que se passa no interior (de mim, claro), é aquilo que eu já chamei de “diário público”.
No início apenas escrevia, e muito. Depois comecei a incluir imagens, músicas, videos e actualmente muitas vezes há em que os meus posts nada têm senão um video do YouTube ou uma música; é conforme aquilo que me apetece partilhar.
Já houve uma altura (mais concretamente no início) em que eu me preocupava com as “audiências”, quantas visitas tinha, quantos comentários, etc. Mas a partir de uma certa altura deixei de me preocupar com isso, não valia a pena; sentia que estava a escrever para as massas, quando aquilo que eu realmente quero é escrever para mim e partilhar isso com quem quiser ler.

Hoje deu-me para escrever esta crónicazita, já tinha saudades de escrever, principalmente assim ao fim da tarde, antes de ir para casa. Qualquer dia vou buscar os meus antigos blocos de notas e reler o que escrevi há uns anos.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *