Dezembro

São xx:yy horas da tarde. Hããããã… pelo menos já sabemos que é de tarde.
Voltei a fazer uma ronda pela balbúrdiosfera e no meio de vários blogs por onde passei, encontrei os habituais “pseudo-intelectualóides”. Encontrei também aqueles em que o único conteúdo que aparece é a barra lateral, quanto a posts, ‘tá escasso. Enfim, não vou nomear aqui todos os tipos de blogs que encontrei, uns bons, uns maus, outros nem por isso e outros assim-assim; no meio desta coisada toda encontrei um blog que me agradou. Não é um blog de conteúdo “super-literário”, é apenas um simples blog pessoal de uma menina de 17 anos. Achei engraçado e puro o que ela escreve, os seus sonhos, os seus pensamentos. Simplesmente escreve o seu diário online. Gostei.

Mas… adiante.

Dezembro, o mês que começou ontem. Durante a minha infância sempre foi um mês muito alegre, cheio de doces, brinquedos e brincadeiras, reunido sempre com a minha família mais próxima. No entanto durante alguns anos da minha vida, este mês foi depressivo. Mantinham-se as reuniões de família, as habituais trocas de presentes e again… muitos doces; no entanto faltava-me algo. Era um vazio que me preenchia (credo que antítese)… Anyway… Era um mês em que eu sentia alguma, senão muita, tristeza; e não sabia porquê. Estava lá tudo, “supostamente”.

Faltava-me aquilo que tenho hoje e desde há quase seis anos para cá. A minha própria família. Sim, este mês de Dezembro, à semelhança dos anteriores, é novamente um mÊs de alegria; é-o de uma forma diferente, no entanto é alegria pura. Tenho a minha casa, a minha mulher amada, a minha pimpolha e o nosso gato mais que tudo. Sinto-me mais do que alegre, sinto-me completo, feliz, eufórico, sei lá… deixa cá ficar as lentes cor-de-rosa que eu gosto delas. :o)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *