Nada de nada

  • by

Numa vã tentativa de ser literário na escrita muita gente escreve grandes palavrões literários, com estilos de escrita do mais rebuscado que se possa imaginar, como se isso de alguma forma os fosse apróximar dos grandes autores da nossa literatura.
Talvez eu esteja simplesmente numa de “corte e costura”, ou talvez esteja apenas rabugento. Desde já informo que não estou rabugento. Estou cansado, um pouco saturado, a precisar de umas boas férias, mas não estou c’a rabuja. Por outro lado, também não estou numa de falar mal; e acima de tudo não estou a “atacar” ou criticar ninguém em particular.
Estou apenas com vontade de expressar a minha opinião sobre um assunto qualquer e foi este o que me surgiu à ideia.
Conforme estava a dizer no inicio do texto, há pessoas que escrevem numa tentativa de imitar os grandes autores, no entanto é apenas isso que fazem, imitam; parafraseando o meu amor: “não escrevem o que lhes vai na alma!”. São assim as coisas da escrita, há quem escreve aquilo que se passa lá dentro sem qualquer tentativa de ser literário. Creio que uma texto, um livro, um conto, para ser bom não necessita de grandes estilos literários ou grandes palavrões, basta que tenha uma só coisa: que dê prazer a quem o escreve. Se alguém lê e gosta, óptimo, é sinal que se identifica com o que lê, ou que simplesmente gosta porque sim. Se não gosta, isso não faz que a escrita seja má.
Um best-seller não é propriamente um excelente livro. Há imensos best-sellers que eu simplesmente detesto; por exemplo, não consigo ler Saramago ou Lobo Antunes, aliás, há muito poucos autores portuguêses que eu não consigo ler, no entanto isso não faz com que sejam maus autores, simplesmente não aprecio a forma de escrita deles. Umbertro Eco por exemplo, adorei pelo menos dois livros dele e há outros que nem sequer consigo passar das primeiras páginas.
No fundo, a literatura é como a música, a pintura, a escultura, etc. não há livros bons nem livros maus. Há apenas livros que gostamos e livros que não gostamos, uns que nos dão prazer ler e outros que nem por isso.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *