Audiências

Já me tinha esquecido como isto de ter uma audiência regular é viciante e ao mesmo tempo nos pressiona. É viciante porque sabemos que aquilo que escrevemos está a ser lido por alguém e em consequência disso torna-se pressionante porque sentimos a necessidade, ou talvez, a pressão de escrever algo com bastante regularidade.

Lembro-me nos meus primeiros tempos de blogger em que tinha meia-dúzia de “seguidores” regulares, pessoas com os seus blogs que também liam o meu blog e vinham comentar nos meus textos. Eram pessoas que não conhecia, no entanto ao fim de trocas de textos e comentários acabávamos por nos conhecer um pouco.

Desde que voltei a escrever não tenho tido comentários, nem estou à espera de os ter, mas apercebi-me que tenho audiência. Sei que as mesma pessoas passam por aqui com alguma regularidade para me ler. Além de uma pessoa (tu sabes quem és), não faço a mínima ideia quem serão as outras visitas, apenas sei que são pessoas que residem ou estão de férias na Alemanha, na Finlandia e nos Estados Unidos da América. Sou-vps muito grato pelo vosso acompanhamento, principalmente a ti que sabes que és.. 🙂 Sabe bem saber que sou lido.

O facto de não haver comentários implica que eu não saiba a opinião de quem me lê, embora eu não escreva de verdade para ninguém a não ser para mim. É verdade, eu escrevo de mim para mim e isto não tem qualquer egocentrismo ou maldade à mistura, fico extremamente lisonjeado em ter pessoas que acompanham o que escrevo, que gostam do que escrevo (acho eu, se não gostassem não voltariam, certo?) e no entanto acho que de facto escrevo para mim. Escrever sobre tudo e sobre nada é uma maneira de batalhar com os meus demónios, é uma forma de deitar cá para fora tudo aquilo que se passa cá dentro. Poderia falar com amigos, mas aí teria invariavelmente opiniões, conselhos, etc. E por muito que eu possa apreciar e valorizar os conselhos e opiniões dos meus amigos, por vezes não preciso disso… Aliás, muitas vezes o que eu preciso é apenas de deitar coisas cá para fora, preciso de falar e ser ouvido apenas. Aqui neste blog escrevo tudo o que se passa na minha cabeça, ou quase tudo.. Acontece-me muitas vezes pensar em coisas para escrever mas na altura não o posso fazer porque estou a conduzir ou estou num sítio onde não posso escrever.

Qualquer dia começo a gravar podcasts. Sei lá, em vez de escrever aquilo que me vai na alma, gravo uma das minhas dissertações. Não vai ser fácil porque eu não sou grande fã da minha própria voz, mas é um desafio e eu aceito-o.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *