Controlo

Há coisas que se passam na nossa vida e que nos afectam e há sempre graus de intensidade que variam consoante a importância que damos a essas coisas, ou talvez, a atenção que lhes prestamos. Quase tudo o que nos acontece está fora do nosso controlo… Bem, se calhar nao é quase tudo, mas há muita coisa que não controlamos. O que está, ou pode estar sempre sob o nosso controlo é a importância que damos ao que nos acontece, a reacção que temos ao universo à nossa volta e a nossa capacidade de decidir simplesmente abandonar o controlo. E este deixar ir é o primeiro passo para assumir o controlo na nossa vida.

Parece uma contradição não é? Parece e em termos de linguagem é. No entanto não é. A partir do momento em que decidimos que, uma vez que não controlamos algo e como tal abdicamos de todas as tentativas de o controlar, a nossa reacção a essa coisa muda, a perspectiva torna-se diferente e estamos a assumir controlo da nossa vida e da maneira como interagimos com o que nos rodeia.

É muito fácil para mim escrever isto, dizer estas coisas a alguém… não tem sido assim tão fácil passar à prática comigo próprio. Comecei recentemente a abdicar realmente do controlo sobre aquilo que não posso controlar. Comecei a dar importância ao que realmente me importa… eu