Antiguidades

Estive a ler coisas que escrevi em 2003/2004. Em arrumações, encontrei blocos de notas antigos… Folhas de papel onde escrevi sobre tudo aquilo que sentia na altura, coisas que se passavam na minha vida.

Voltei atrás no tempo e lembrei-me das coisas que sentia naquela altura. Já não sinto nada daquilo, ou melhor, se calhar até sinto coisas muito parecidas, no entanto tenho formas completamente diferentes de lidar com as coisas.

Li um texto que escrevi pouco depois da meia-noite, no dia 1 de janeiro de 2004. Foi uma passagem de ano que passei sózinho, à beira-mar. Nessa altura trabalhava até às meia-noite e assim que saí do trabalho desci até à minha praia favorita e lá fui eu recebe do ano novo com o cheiro da maresia, e a companhia das estrelas e do mar.

Foi a primeira vez na minha vida que passei o ano sozinho mas não foi a primeira vez que me senti sozinho.

Este ano, 2019 para 2020, resolvi passar a noite de ano novo sozinho. As razões que me levaram a esta decisão foram completamente diferentes, o estado de espírito também, e não me senti sozinho.

Sei que preocupei família e amigos com está decisão, no entanto foi algo que fiz por mim e para mim.

Não faço a mínima ideia do que vai acontecer amanhã, até porque ainda falta muito tempo, no entanto se vier uma nova passagem de ano sozinho, será bem vinda. Aceito o que vier com tranquilidade. Aceitar não é conformar-me, é apenas perceber que as coisas são como são.