True poetry

Numa viagem pelos confins da minha mente,
sinto-me por vezes à deriva.
Uso os meus sentidos de uma forma consciente
e no entanto consigo perder-me na minha vida.

Penso em tudo aquilo que me aparece
numa vã tentativa de chegar a uma conclusão.
É algo que faço como se fosse uma prece
que no entanto apenas me deixa na confusão.

Já amei e já desamei,
e algo que eu não fui também foi amado.
Já me perdi e voltei a encontrar,
sempre sem nunca ter desesperado.

Há algo meu que sempre dou,
tudo o que tenho para dar
mas talvez não aquilo que sou
sempre a achar que não vou, de novo amar.

Como sempre, estou enganado no meu sentir
e volto sempre a amar quando menos espero.
Acho que por muito que eu me sinta desistir,
no fundo, o amor estará sempre por perto.