Catálogos

  • by

Lembro-me do tempo em que era miúdo e costumava ver as revistas catálogo (não menciono nomes) com a minha mãe para escolher uma peça de roupa ou algo assim. Frequentemente ofereciam um “espremedor de citrinos” e ainda a “fantástica possibilidade de ganhar um grande prémio” a ser sorteado. Claro que para poder entrar no sorteio teríamos que comprar algo da revista.

Recentemente tenho andado a ter uma experiência semelhante.

Instalei o Tinder. É tal e qual como um catálogo. Preenchemos o nosso perfil com algo que achamos relevante sobre nós (ou não). Depois é só ir vendo fotografias de potenciais “matches” e se nós agradar fazemos “swipe right” caso contrário fazemos “swipe left”. Com isto escolhemos as pessoas que queremos conhecer, mas atenção, só há duas possibilidades de isso acontecer.

Supondo que fazemos “like” a uma pessoa e posteriormente o nosso perfil lhe aparece no catálogo dela e ela também nos faz like. Passamos a ter aí a possibilidade de trocar mensagens com essa pessoa.

A segunda hipótese é pagando uma subscrição do Tinder Gold e aí conseguimos ver quem fez like ao nosso perfil, o que nos permite de fazer like ao perfil dessa pessoa e assim abrindo a “porta das mensagens”. Com a versão gratuita somos notificados que há pessoas que gostaram do nosso perfil mas não podemos saber quem são.

Resolvi meter-me nisto por mera curiosidade, foi mesmo uma experiência simples sem quaisquer espectativas. Já há muito que ouvia falar desta coisa e agora resolvi arriscar. Tenho a APP instalada há quase duas semanas, já esgotei os meus “swipes” várias vezes, tenho seis “espremedores de citrinos” e ainda não me saiu nada no sorteio.