Memórias

  • by

Estava a preparar-me para escrever uma crítica pseudo-social quando de repente me distraí. Deparei-me uma memória já muito antiga.

Tenho uma memória estranha, no sentido em que há coisas que são importantes para mim e que eu não me lembro, outras que não me interessam para nada e ainda me lembro. Não há cá “se não te lemnbras é porque não são assim tão importantes”… Não é assim que a minha memória funciona. Lembrei-me de coisas que já não me lembrava há muito tempo, coisas que aconteceram e que por um qualquer motivo ficaram na minha memória durante algum tempo e depois desapareceram. Se calhar nunca desapareceram, seu simplesmente deixei de pensar nessas coisas. De facto não havia qualquer motivo para pensar nas coisas. Aconteceram, ficaram no sítio onde aconteceram e pronto, foi isso.

Não me lembro de ter tido memórias a surgir assim… Já tive coisas que não me lembrava e que de um momento para o outro reapareciam à superfície, mas não coisas que me deixassem assim… desconcentrado. Ou vai na volta é só mesmo um produto da minha mente… quer dizer, é mesmo um produto da minha mente, mas não é nada assim a puxar para o consciente. Simplesmente apareceu e pronto. Confesso que fiquei ligeiramente desconcertado. Não estava nada à espera que me surgissem estas lembranças do passado, assim vindas do nada. Bem, não foi assim do nada, eu de facto estava a arrumar coisas antigas e no meio dessas coisas antigas encontrei algumas coisas que “acenderam” estas memórias. Creio que isto é o que acontece quando passamos longos periodos de tempo com a nossa própria companhia, ficamos com muito tempo para limpar “a casa”, arrumar as emoções, organizar as ideias, entender umas coisas e desentender outras.

Estas, são memórias de um tempo em que não sabia bem o que andava a fazer na vida. Andava ligeiramente à deriva, à procura de algo que não sabia o que era sem nunca o encontrar e no entanto talvez tenha encontrado o que procurava e não consegui ver o que era… não sabia para onde olhar. Estava a viver a vida muito ao sabor da corrente, sem saber bem para onde a coisa me ia levar. Lembro-me que algum tempo depois passei por um periodo muito negro da minha vida, não sei se foi consequência desta “viagem à deriva” ou não e, honestamente nem importa. As coisas aconteceram e passaram. Assuntos foram resolvidos, outros esquecidos, novos assuntos surgiram e hoje, agora, lembrei-me desse tempo em que estava a navegar sem rumo certo, por vezes no meio de uma tempestade.

Se bem que eu sempre me senti tranquilo bem no centro da tempestade.